sábado, 30 de julho de 2016

A FORÇA DE ACREDITAR…

Existem momentos na vida que deixam marcas para sempre…
Um olhar, um sorriso, um cheiro…
Perco-me no tempo e sem mais… sou transportado para um universo vazio…
Um universo sem estrelas, sem lembranças… Como por magia… histórias e lembranças, nada existe…
Encontro uma pequena semente… uma semente que criar uma nova realidade… uma nova luz… Desejei com toda a minha força que isso fosse possível…
E semeio essa semente numa alma sem marca… sem mancha…
Cresce um rebento… cresce uma nova vida… uma nova força…
Mas ao contrario do que esperei… o vazio tornou-se maior que nunca… Mais poderoso que qualquer vontade… capaz de apagar o próprio sol…
Seduzido pela ausência de dor deixei, criar um escudo de um renascimento sem sentido… que em nada ajuda a fazer sentir vontade… vontade de ser novamente o que eu sempre fui…
Por mais que doa… por mais que exista uma vontade de querer renascer…
Nada… mas nada… vale cada sentimento perdido, cada cicatriz cravada no meu ser…
Sem isso nada sou… nada tenho… nada valho… Acho que no fim de tudo… Apenas fica…

A FORÇA DE ACREDITAR…

quinta-feira, 28 de julho de 2016

Egoísmo

Egoísmo

Como decifrar esta saudade…
Como explicar esta mágoa que percorre o meu corpo…
Sinto … um vazio do dimensão do meu ser… um sentimento de perda que não se decifra e apenas se pode sentir…
Luto cada dia por um sinal de vida, por um simples olhar desencontrado na rua…
Amor é palavra que já não consegue qualificar um sentimento que une um mundo num sopro de vida…
Não entendo onde errei, onde posso ter fendido… não encontro a razão…
Sou débil… sou um sopro contra uma tormenta…
Nunca esmolei nada… nunca exigi nada… porque o amor assim é… uma entrega sem retorno…
Mas do fundo do meu egoísmo… do fundo do nada… por uma vez peço…
Deixa-me ser um… deixa-me encontrar num simples olhar perdido a silhueta do que fui…

Somos um…


domingo, 26 de junho de 2016

Um tudo, por nada...

Passei anos a pensar que tinha conseguido fazer o que nunca ninguém tinha conseguido…
Menta e canela…
Transformei derrotas em encarnes profundos… até simplesmente a minha epiderme ser um único encarne …
Brandi montanhas… ocultei a lua… virei noite dia e dia noite…
Tudo por um sorriso… apenas por um franzir de lábios…
Passei noites a devanear como fazer sorrir… como cuidar…
E depois de tudo isto… depois de mil e um manejo… proteger do mundo…
Sinto-me vazio… sinto-me uma metade…
Nunca pedi nada… nunca quis nada… apenas ansiava pelo sorriso no semblante…
Depois de tudo… de tanta andança … chego ao fim… sem nada… Menta e canela…
Sou uma insignificância… que tentou tudo… para nada ter…

Simplesmente falhei…


domingo, 12 de junho de 2016

Um vazio…

Sinto-me vazio… sinto um abismo dentro de mim… uma força que me consome…
Sinto-me perdido no próprio pensamento… sinto uma fossa no peito, do tamanho do meu ser…
Um sabor agridoce que me mata devagar… que me transforma num ser amorfo…
Já não sinto a dor alucinante de mil espadas sobre o meu corpo…
Já não consigo sentir a força da dor que me dizia: - “Estas vivo…”

Simplesmente não sinto… vagueio sem rumo… na eterna esperança de te encontrar…


domingo, 29 de maio de 2016

Sobrevivência

Existem momentos que não conseguimos explicar…
Momentos em que sentimos uma saudade desmesurada…
O simples bom dia… a simples mensagem que nada diz…
Sinto em mim todo o peso de um mundo que me consome… Um mundo que me degola…
O abraço que se perdeu… o olhar pardo que me olha, mas não me vê.
Quero-te, desejo-te… com a força de quem dobra amarras e viaja sem rumo…
És menta e canela… mas já não a minha…

Por vezes ser egoísta não é um defeito… é um simples instinto de sobrevivência…


terça-feira, 24 de maio de 2016

Porque amamos…

Em tempos escrevi que… “simplesmente se ama e pronto”…
Desde então que tento descobrir uma razão… ou um conjunto de razões…
Mas quanto mais cogito… quanto mais tento entender, menos consigo achar a razão…
Menta e canela… fecho os olhos… e simplesmente não encontro a razão… não encontro o porque…
Passou tempo… demasiado tempo… e não consigo entender como é possível amar alguém de uma forma tão arrebatadora… sei que sabes o que sinto… como sinto…
Por mais que lute… tentemos lutar… eu sou a metade de um átimo, de uma promessa de sermos um…
Fecho os olhos… menta e canela… e simplesmente… não consigo conjeturar outra metade que não sejas tu…

Amo-te, não sei porque… mas que importa… simplesmente amo-te…


domingo, 22 de maio de 2016

Smile

A simplicidade que arrancas o sorriso… transforma a certeza de uma definição, numa incerteza de forma.
Uma forma angelical que explode na forma de rebeldia de conquista do mundo.
São uma, duas, três formas de simplicidade, que numa forma de curva… conquistam a forma da palavra e do acto…
O Sorriso…